Pe. Elias Silva Coordenador Nacional da Pastoral Vocacional em Entrevista.

Por - Categoria -- > Notícias

Padre Elias Entrevista

 

Falando de Pastoral Vocacional com Pe. Elias Silva

Coordenador Nacional da Pastoral Vocacional

1. Pequena biografia;

Padre Elias Silva, sou natural da cidade de Goianésia em Goiás, Diocese de Uruaçu. Tenho 35 anos, 5 anos de sacerdócio. Atualmente sou vice reitor do Seminário Diocesano São José, em Uruaçu e coordenador da Pastoral Vocacional na Diocese e Diretor do Centro Vocacional Diocesano São João Paulo II e também diretor da Escola Diaconal Diocesana São Lourenço. Há 3 anos coordenador da Pastoral Vocacional no Regional Centro Oeste da CNBB, e desde 2016 coordenador Nacional da Pastoral Vocacional, junto a CMOVC. E atualmente também, apresentador na TV Evangelizar do programa “Feliz do Jeito Certo”, que tem como objetivo a construção e a promoção da Cultura Vocacional.

2. Como está organizado o trabalho vocacional a nível nacional?

A nível Nacional na CNBB há a CMOVC (Comissão para os Ministérios Ordenados e Vida Consagrada), na qual a Pastoral Vocacional esta inserida juntamente com os organismos afins como OSIB, Diaconado Permanente, CRB, Presbíteros e outros. Há o bispo presidente da Comissão que atualmente é o Dom Jayme Splenger, Arcebispo de Porto Alegre, e o referencial para cada pastoral e organismo. Para a Pastoral Vocacional está o Dom José Roberto Palau, Bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo. E desde 2016, há a coordenação nacional da Pastoral Vocacional, para ser um necessário articulador entre os regionais e a Comissão. A eleição da coordenação ocorreu em fevereiro de 2016, sendo eleito eu como coordenador nacional; Pe. Eliseu Donizete, da Arquidiocese de Mariana-MG, como vice coordenador; e Pe. José Eduardo, da Diocese de Campinas-SP, como secretário, mas por motivos pastorais diocesanos teve que se ausentar do cargo, e temos também a leiga consagrada Edna Maria, da Arquidiocese de Brasília, como tesoureira e compõe a equipe nacional.

3.Muito se fala sobre a realidade vocacional a nível nacional. Muito enfoque é dado à crise vocacional. Podemos realmente afirmar que vivemos num momento de crise do trabalho vocacional?

Na verdade, se olharmos o trabalho vocacional em nossa igreja do Brasil, vamos ver que muito já foi feito, contudo, em cada época tem suas necessidades e desafios. Há belos trabalhos sendo realizados em nosso país, que por ser tão diverso fica até mesmo difícil de se mensurar. Contudo, há um esforço de muitos leigos, religiosos e sacerdotes pelo trabalho vocacional, nas dioceses, comunidades, paróquias e congregações, mas não se pode negar que uma verdadeira cultura vocacional ainda é algo urgente, e não somente uma busca desenfreada de resolução numérica das respostas vocacionais especificas. Não é possível uma animação vocacional atualmente sem voltarmos nosso olhar para uma iniciação cristã e uma urgente evangelização. Precisamos recuperar nossa missão de cristãos em anunciar o amor que faz dar sentido para nossa vida. E ainda mais, saber que isto não é uma missão de um pequeno grupo ou comunidades isoladas, mas sim é uma realidade eclesial. Assumamos nossa missão e identidade de pessoas que foram encontradas por Cristo e que precisa anunciar a tantos que necessitam ouvir este chamado.

4. O senhor tem percorrido muitas regiões do Brasil. Quais as mais belas experiências vocacionais que teria para nos dar de exemplo?

Graças a Deus, muitas são as experiencias que presenciamos nos diversos regionais, lógico que cada um com suas realidades e desafios. Mas posso destacar aqui a persistência de tantas congregações religiosas que tem sido fundamentais em algumas dioceses, onde os leigos e sacerdotes ainda não estão tão engajados neste trabalho. Há também, em algumas dioceses sacerdotes liberados para o trabalho vocacional, o que favorece muito a devida animação do serviço vocacional. Há também um trabalho muito bonito realizado em todo país, pelo Instituto de Pastoral Vocacional -IPV, através da revista vocacional – Rogate, Escolas vocacionais, congressos temáticos, enfim, há várias experiencias, principalmente após o Simpósio Vocacional de 2014, onde em cada uma das cinco macro regiões (Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul) foi suscitado várias indagações e há verdadeiras ações assumidas pelos regionais, e dioceses. O Simpósio foi uma ação pastoral em nosso Brasil que muito contribui com a reflexão da cultura vocacional, mas percebo também que há ainda regiões que muitos passos precisam ainda serem dados nesta reflexão, e principalmente na ação e pedagogia especifica para favorecer a aplicabilidade de tal realidade na cultura eclesial.

5. Acontecerá em 2019 o 3º Ano Vocacional do Brasil e o 4º Congresso Vocacional e acreditamos que será um tempo profundo para uma revitalização da Pastoral Vocacional e do Serviço de Animação Vocacional. Quais as informações que o senhor pode nos adiantar sobre estes eventos?

Desde agora, estamos em um momento bonito da reflexão sobre a urgência do trabalho vocacional, pois estamos nos preparando para o Sínodo Geral que acontecerá em 2108, em Roma, e tem como tema: “Fe, juventude e discernimento vocacional”. Uma reflexão urgente sobre o trabalho de animação vocacional para os nosso jovens, questionando-nos sobre a vitalidade e presença da experiencia da fé em meio a eles, e qual o trabalho juvenil vocacional que favorece o discernimento vocacional está sendo desenvolvido.

E tudo isto, ajudará e muito a preparação do 3º. Ano Vocacional do Brasil, que iniciará dia 02 de fevereiro de 2019 e irá até 02 de fevereiro de 2020, e será um tempo muito oportuno para intensificar as orações pelas vocações, a animação e reflexão vocacional e uma devida metodologia vocacional, pautada na necessária dissiminação da Cultura Vocacional, e lembrando que durante este Ano Vocacional teremos o 4º. Congresso Vocacional do Brasil, que acontecerá dos dias 05 a 08 de setembro de 2019, no Centro de Eventos Pe. Vitor, no Santuário de Aparecida. O tema do Congresso Vocacional e Ano Vocacional será: “Vocação e discernimento”, e o lema: “Mostra-me Senhor, os teus caminhos” (Sl 25, 4).

Enfim, serão momentos bonitos em nosso país, por isso conclamo a todos fazerem suas preces intercedendo pelos projetos do Ano Vocacional e Congresso Vocacional, e se una a todos na vivência desta profunda experiencia.

6. Agradecemos infinitamente sua disposição em falar conosco e como coordenador nacional da Pastoral Vocacional, queremos que nos deixe uma mensagem.

Vamos todos juntos assumir nosso compromisso de anunciador do amor infinito de Deus, pois assim a nossa cultura eclesial será permeada de uma verdadeira cultura vocacional, onde cada um assumindo seu chamado, consegue se tornar em pessoas que convocam todos para sua missão especifica. Não vamos ter medo e nem sermos receosos em promover a cultura vocacional em nossas comunidades e paróquias, que elas sejam na verdade, comunidades vocacionais, onde cada discernimento vocacional surja como consequência normal de uma vivência vocacional. E ainda, intensifiquem as orações pelas vocações, em seu grupo, pastoral, movimento, celebrações e na vida pessoal de oração, fazendo nossas preces ao Senhor da messe para que envie mais operários. E conto com a oração e o envolvimento afetivo e efetivo nos preparativos e vivencia do Ano Vocacional do Brasil e Congresso Vocacional de 2019. Desde já, agradeço pelas orações pelo nosso trabalho e rogo à Maria, para que ela interceda por cada um de nós.

 

Assessoria de Comunicação

Centro Vocacional Diocesano​

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO